CENTRO DE ARTE GRUPO CORPO – MEMÓRIA

A finalidade da arte é dar corpo à essência secreta das coisas, não copiar sua aparência”.
Aristóteles

O homem entre as montanhas….
O espaço de arte Corpo se manifesta aqui, puro e simbólico, uma construção sem malabarismos que cede lugar a pátios e praças, altos e baixos, formando assim a esplanada tão desejada.
Cenário de manifestações artísticas, como museu e galerias, evitamos pretensas alusões às montanhas onde a volumetria do silêncio, fala através do desenho solto que modela a paisagem.
Propício a contemplar o supreendente horizonte apresentado, este edifício com fluidez e luminosidade se interage com o verde e a sombra denotando assim sua relação com a cidade, virtudes da arquitetura urbana.
Paradoxalmente, na inversão de escalas volumétricas, na sutileza das formas vazadas, no tratament das aberturas e opacidades, bem como na profusão reflexiva de alguns materiais evidencia-se uma interessante forma de tratar a arquitetura metálica não aquela que expõe os materiais de forma grotesca e pouco trabalhada mas, aquela que permite em linhas leves e soltas mostrar evidentemente na galeria e teatro, sua elegância e sua plasticidade.
Praças das esculturas, praça de teatro, praça do encontro e do café, um gesto de paisagem: uma contribuição urbana.

Para maior racionalidade e flexibilidade construtiva desenvolvemos toda a proposta sobre malha de 3.00 x 3.00 m com vãos estruturais que correspondem às dimensões “Usilight”.
Na maior parte da edificação é utilizado o sistema porticado de perfil “I” adotando treliças lineares no sentido transversal quando necessário.
Espaços mais significativos de vãos maiores foram contemplados com soluções de maior expressão construtiva. A praça coberta do Espaço Cultural tem sua estrutura ramificada enquanto a galeria foi resolvida com uma grande treliça metálica biapoiada para preservar a permeabilidade do espaço tão desejada.
Com mesmo sistema de pórticos treliçados resolvemos o vão do palco e da platéia, lançando dimensões mais arrojadas que recebem a grande cúpula de pilares e vigas em sequência radial.
Nas vedações foram utilizados vidro e alvenaria, e nas lajes, sistema “steeldeck”.